CLP – Não existe cidadania sem entender e participar da política - Entrevista com Diego Calegari
Notícias

Não existe cidadania sem entender e participar da política - Entrevista com Diego Calegari

08/11/2018 -

 

O CLP conversou com Diego Calegari, um dos criadores do Politize! - organização de impacto que utiliza a internet como ferramenta para tornar o aprendizado sobre política algo descomplicado e divertido. Diego, que também é líder MLG, falou sobre o quanto é importante levar conhecimentos sobre esse assunto para a escola e a sociedade como um todo. Confira o bate-papo:

 

De onde surgiu a ideia do Politize?

 

A ideia começou a ser concebida depois de 2013, quando a gente teve aquelas mega manifestações de rua. Naquele momento a política entrou na nossa sala. O brasileiro não tinha o hábito de discutir ou ouvir falar sobre política, com exceção de algumas notícias. De repente a gente se viu envolvido em discussões de família e compartilhando informações no Whatsapp. A política tomou uma dimensão enquanto assunto na nossa sociedade, que não tinha esse hábito. Isso tem a ver com uma questão que é a cultura política. Entendemos esse fato como uma oportunidade de levar conhecimento sobre esse assunto para muitas pessoas, uma vez que o interesse e a disposição começaram a crescer. Independente de as manifestações terem sido boas ou ruins, terem dado certo ou não, antes de 2013 era muito difícil uma iniciativa como o Politize! surgir.

 

Quais são os  principais desafios?

 

Começamos a nos motivar muito pela ideia de que o maior problema da democracia no Brasil não é formal, do ponto de vista das instituições, leis e regras. Nesse ponto temos uma democracia bem madura até, com uma constituição e processo eleitoral bastante estruturados.Nosso grande problema é cultura política, a forma como as pessoas encaram e participam da democracia. A nossa intenção é atacar esse problema por meio da educação, independente se você é homem, mulher, preto, branco, rico, pobre, se você tem doutorado, se não terminou o Ensino Médio, porque provavelmente o seu nível de conhecimento sobre política é muito baixo. É preciso levar educação política para as pessoas e a melhor forma de fazer isso é de uma maneira fácil, acessível e sem vinculações partidárias.

 

 

Como a organização funciona na prática?

 

Tem um lado do nosso trabalho que é online, de levar conhecimento sobre política para milhões de pessoas por meio da internet e através de uma linguagem fácil. Hoje já são mais de 15 milhões de usuários da plataforma e temos uma média de 3 milhões de acessos aos nossos conteúdos todos os meses. Já nos tornamos referência entre os canais de comunicação educativa no Brasil, provavelmente somos o maior na área de política e democracia.


 

Os impactos já podem ser sentidos?

 

A gente lançou o portal, nosso primeiro grande produto, em julho de 2015. São três anos e meio no ar. Faço uma analogia que, se nossos usuários fossem uma única pessoa, essa pessoa estaria aprendendo com a gente por três séculos, pelo volume de minutos de aprendizagem a que foram expostas. A gente faz muitas pesquisas com o usuário e elas são indicadores que mostram que as pessoas que consomem o nosso conteúdo e estão conectadas com a nossa plataforma sentem que isso faz diferença em suas vidas. Além disso, recebemos milhares de depoimentos de forma espontânea nas nossas redes sociais e email, de usuários dizendo que nunca haviam encontrado uma fonte de informação como essa, agradecendo o nosso trabalho. O impacto é na vida de quem acessa o nosso conteúdo. É claro que mudar a cultura de um país leva muito tempo e demanda muito esforço. A gente trabalha de forma articulada com muitos parceiros que apoiam essa causa, que a gente sabe que é de longo prazo.

 

Qual a importância de se ensinar educação política nas escolas?

 

A importância é total. A gente está falando de um país que, em tese, é democrático, mas é como se a gente tivesse uma ferramenta na mão e não soubesse usar. A educação política é muito importante para o exercício da cidadania. Não existe cidadania sem entender e participar da política. Todas as democracias mais avançadas do mundo têm educação política na sua grade escolar. Não há nenhum país democrático de primeiro mundo que não tenha essa matéria na escola. Nesses locais se entende que educação política é algo fundamental, tão importante quanto aprender a língua ou matemática. No Brasil, talvez por uma rejeição a tudo que é remetido à ditadura, a gente tirou as matérias de política da escola, o que é muito ruim. Acredito que não é possível existir uma democracia saudável e funcional sem cidadãos que saibam e queiram participar da democracia.

 

Qual a importância da experiência de uma formação para a liderança para esse trabalho?

 

No MLG eu tive a oportunidade de não só ampliar o meu repertório acadêmico, mas de conhecer pessoas extraordinárias. Foi muito rico aprender a partir das perspectivas dos colegas, o que ajudou a ampliar a minha visão de impacto e firmar parcerias para desenvolver ações concretas. Fez uma grande diferença.

 

Diego Calegari é graduado e mestre em Administração (UFSC). Trabalhou como professor, consultor e empresário nas áreas de educação, tecnologia e gestão. Sua pesquisa de mestrado resultou no livro “Planejamento e estratégia das escolas: o que leva às escolas a ter alto desempenho”, publicado pela editora Atlas. É empreendedor do Politize!